Exame de sangue define paternidade durante gestação

Exame de sangue procura o DNA fetal circulante na mãe e compara com material obtido do candidato a pai

Verificação pode ser feita com nove semanas de gravidez; preço fica em torno de R$ 3.000 em São Paulo

teste-de-paternidade

Ao menos duas clínicas paulistanas já oferecem às gestantes uma forma de tirar uma dúvida importante sobre o futuro bebê com uma simples coleta de sangue: quem é o pai?

O exame usa o mesmo princípio dos testes que chegaram ao país no início deste ano e analisam o material genético do feto circulante no sangue da mãe durante a gestação.

Com eles, já é possível determinar com mais de 99% de precisão se o feto tem síndrome de Down, Edwards, Patau, Turner, Klinefelter e triplo X a partir das nove semanas de gestação. O sangue coletado como num exame de rotina é enviado aos EUA para análise. Os preços ficam em torno de R$ 2.000 a R$ 4.000, dependendo do laboratório.

Antes, o diagnóstico dessas síndromes dependia da análise do ultrassom morfológico e de exames que medem alterações em uma proteína e em um hormônio ou da realização de testes invasivos, como a retirada de líquido amniótico e a biópsia de uma amostra da placenta.

Esses dois últimos também podem ser usados para determinar a paternidade durante a gestação mas, como eles trazem um risco de cerca de 0,5% de causar um aborto, há um sério problema ético em pedir um exame como esse só para saber quem é o pai.

Segundo o geneticista Ciro Martinhago, que realizou o novo exame de sangue de paternidade em duas mulheres, os exames invasivos são pedidos só para gestantes que tenham um risco maior do que 0,5% de ter um bebê com anomalias cromossômicas, como mulheres com mais de 35 anos. “Mas sabemos que algumas pessoas faziam esse exame para saber a paternidade. Agora, tendo o exame não invasivo, não se corre mais esse risco.”

COMO FUNCIONA

O teste procura “trocas” de letras no DNA (A, C, T, G) do feto conhecidas como SNPs. Esses marcadores são passados de pai para filho e servem como indicador de paternidade. O novo teste avalia mais de 200 mil dessas “trocas” e compara o DNA da mãe, do feto e do suposto pai.

“O teste não tem validade na Justiça. Uma cliente queria saber com qual de dois homens deveria se casar. Outra porque abortaria se o bebê não fosse do marido”, diz Martinhago. O aborto só é permitido no Brasil em caso de estupro, risco de vida para a mãe e anencefalia.

“Com o exame mais precoce, você abrevia a angústia de uma mulher numa situação grave, que precisa confirmar quem é o pai do bebê”, afirma o ginecologista Arnaldo Cambiaghi, diretor do Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia.

Uma paciente atendida no instituto fez o teste de paternidade por meio do exame de sangue da mãe há cerca de três meses.

A geneticista Denise Christofolini, responsável pelo exame, conta que a mulher, com nove semanas de gestação, enviou o material genético –que pode ser amostra de sangue ou de saliva– de um suspeito de ser o pai, confirmado depois.

“Acho que esse teste pode ser mais usado quando o homem não tem certeza se é o pai daquele bebê e pede o exame à gestante”, diz.

Mas o exame também pode ser usado em caso de relação extraconjugal da mulher.

Para a geneticista da USP Mayana Zatz, se isso envolver coleta às escondidas de material dos envolvidos, a história fica “muito complicada” do ponto de vista ético.

“O relacionamento já começa baseado em mentiras. Mas, para a mulher que está tendo um caso, a coleta de forma antiética é o menor dos problemas”, acredita.

Outra questão de cunho ético envolve a possibilidade de aborto com o resultado de um exame feito com poucas semanas de gestação.

“Sempre haverá essa brecha, mas é um direito da mãe ter essa e outras informações, como se o filho terá uma alteração cromossômica. O exame pode também evitar um aborto quando o pai resolve assumir ou quando ela confirma que o filho é do marido”, afirma Cambiaghi.

Para especialistas, o teste abre um caminho para o diagnóstico e o tratamento de problemas genéticos ainda dentro do útero.

“Quem sabe não teremos no futuro uma espécie de teste do pezinho intrauterino”, diz o médico Edson Borges, da clínica Fertility.

DÉBORA MISMETTI
EDITORA DE “CIÊNCIA+SAÚDE”
MARIANA VERSOLATO
EDITORA-ASSISTENTE DE “CIÊNCIA+SAÚDE”
FOLHA DE SÃO PAULO

http://www.chromosome.med.br

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s